Inezita Barroso

Cantora e apresentadora de TV

“Daqui a pouco não vai ter mais lugar para a gente. Já teve quem disse: ‘Ai, isso é velho!’. Dizer que tradição e velhice são sinônimos? É meio ruim, né?”

Faça o download do vídeo (na janela que se abrir, clique em “Download FLV” com o botão direito e escolha “Salvar link como”).
Entrevista gravada no dia 29 de junho de 2010 no estúdio Cine & Vídeo, em São Paulo.

Inezita Barroso é cantora, instrumentista, arranjadora, folclorista e atriz. Nasceu em São Paulo em 4 de março de 1925 e começou a estudar piano aos 11 anos, quando morava em casa vizinha à do modernista Mário de Andrade, na Barra Funda, em São Paulo. Começou a carreira nos anos 40, e se tornou popular na década seguinte, quanto lançou diversos discos de música folclórica, participou de filmes pela Companhia Vera Cruz e apresentou programas no rádio, como “Vamos falar de Brasil”, na Rádio Record. Logo passou à TV Record, em 1954, com programas sobre folclore. Estudou biblioteconomia na USP e passou a lecionar a disciplina folclore brasileiro em faculdades de São Paulo. Em 1980, foi exibido o primeiro programa “Viola, Minha Viola”, no ar até hoje na TV Cultura.

Algumas produções de que participou

foto de Inezita na juventude (sem data)"Inezita Apresenta" (1955)"Joia da Música Sertaneja" (1980)programa "Viola minha Viola", na TV Cultura
Foto de Inezita na juventude (sem data), capas dos discos “Inezita Apresenta” (1955) e “Joia da Música Sertaneja” (1980), e imagem do programa “Viola Minha Viola”

Trechos da entrevista

(leia a íntegra)

“E esta parte tradicional folclórica não tem época, não é uma música de época. Eu batalho muito por isso, para não alterar a música. Uma coisa que me irrita é pegar uma música gaúcha, por exemplo um xote gaúcho, e gravar em ritmo de baião com uns instrumentos completamente estranhos àquilo, porque não está entendendo aquele lugar.”

“Me perguntam muito: ‘O que você acha dessa música sertaneja moderna?’. É uma modalidade de música, alguma coisa muito boa, alguma coisa muito ruim. Mas veio da música tradicional? Absolutamente! São dois trilhos que não vão se encontrar nunca. É uma coisa assim mais despreocupada, é mais para aparecer na televisão. E a folclórica, não, ela só é executada quando tem um motivo: um motivo religioso, um motivo de festa, um motivo triste.”

Palavras mais faladas na entrevista

Para que se tenha uma ideia do que foi dito e destacado pelo entrevistado, utilizamos um sistema de visualização chamado “Nuvem de Palavras”. Quanto mais vezes uma palavra é dita, maior ela aparece. Para ver as nuvens de todos os entrevistados, clique aqui.

Palavras mais faladas

O que já disseram sobre ela

“De família tradicional paulistana, enriquecida no tempo dos barões do café, a pequena Ignez Magdalena Aranha de Lima aprendeu cedo nas fazendas o que era o som da viola. A menina poderia ter sido uma dondoca quatrocentona, mas rompeu preconceitos da própria família e se transformou num cantora das coisas do povo.”
Documentário “Mosaicos – A Arte de Inezita Barroso” (2009)
http://www.youtube.com/watch?v=Fm8Th07VpkI

“A cantora e apresentadora Inezita Barroso é conhecida e respeitada por sua dedicação ao folclore e à cultura mais autêntica o interior do Brasil. Aos 85 anos de idade comanda um dos raros programas de TV que abre espaço e promove a música popular brasileira e a chamada música caipira de raiz: o “Viola Minha Viola” acaba de comemorar 30 anos de resistência, na TV Cultura de São Paulo”.
Revista Caros Amigos (2010)
http://carosamigos.terra.com.br/index_site.php?pag=revista&id=146&iditens=709

“Inezita até se diverte com a omissão da indústria cultural e da grande imprensa. Sobre a maioria de seus discos estarem ausentes das lojas e serem disputados nos sebos por aguardarem reedições à altura, nos anos 1990 Inezita resumiu a este que vos escreve: ‘Mas, também, neste país só se faz o que o povo não quer’. Quanto às revistas e emissoras que preferem noticiar sobre a boa aparência e as aventuras e desventuras amorosas de cantoras e apresentadoras mais bonitinhas, Inezita assim ironizou para um colega que temos em comum, o arretado jornalista e pesquisador Assis Ângelo: ‘É que eu não sou estrangeira! Se eu fosse, estaria nas páginas dos jornais’”.
Ayrton Mugnaini Jr., Yahoo! Brasil (2009)
http://tiosamnews.spaces.live.com/blog/cns!46E85566A34CA36C!8112.entry

Outros conteúdos relacionados a Inezita Barroso

Fotos para download

Baixe no FlickrBaixe no FlickrBaixe no Flickr

5 comments on “Inezita Barroso

  1. Fabiana Oliveira on said:

    Oi,meu nome é Fabiana sou filha do finado Moraci (Mococa e Moraci) gostaria de saber se vc pode arrumar para mim as gravações dos programas que meu pai participou,pois minha familia senti muita falta dele,principalmente minha avó que tem mal de alzaimer e esta perdendo a memória,queria muito dar esta alegria para eles!por favor me ajude e serei eternamente grata beijos

  2. .ola inezita meu esposso gostaria muito de conhecer voce pessoalmente ele é apaixonado por voce e suas musicas como posso fazer com que ele vai em algum xou seu ou no seu progama na tv cultura ele nao perde um dia se quer desde ja agradeço obrigada.

  3. Seu nomehelena on said:

    Seu comentário…ola inezita meu esposso gostaria muito de conhecer voce pessoalmente ele é apaixonado por voce e suas musicas como posso fazer com que ele vai em algum xou seu ou no seu progama na tv cultura ele nao perde um dia se quer desde ja agradeço obrigada.

  4. Marcus Vinicius on said:

    Inezita você é uma das grades mulheres que este país tem. Parabéns pelo seu trabalho, assisto seu programa sempre que posso. Música raíz na veia!

  5. Rosangela on said:

    A gravação dos 30 anos foi maravilhoso, parabéns, continue com nossas raízes, faz bem relembrar o passado para os idosos.

2010 Produção Cultural no Brasil - Alguns direitos reservados
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons
Uma tentativa de organização - e uma provocação - sobre
a produção de cultura no país: 5 livros, 100 vídeos, esta plataforma online
Realização